domingo, 22 de março de 2009

A "Taça da Cerveja" e as Flores de QUIM ...

Num péssimo jogo de futebol, do pior que tenho visto entre as duas equipas, muito quezilento e, acima de tudo, com uma equipa de arbitragem muito incompetente, defender três grandes penalidades, logo três, é digno de registo.
Assim, QUIM é mui justamente o (meu) único herói desta Final da "Taça da Cerveja".
Ele, QUIM, que é o melhor guarda redes Português, sem que tal (lhe) seja justamente reconhecido.
Safa-se, assim o Quim que - ironia das ironias - (in)voluntariamente, acabou por safar Quique ...
Pelo menos, por enquanto e até mais ver ...

2 comentários:

Anónimo disse...

Lampião,
Podes levar a taça que ficamos com a dignidade.
FA

AVCarvalho disse...

(Apesar de tardio, não quero perder a oportunidade de entrar na festa. Sobretudo depois de tudo o que se tem passado e dito sobre este jogo.)

Esta taça vai ficar ‘cara’ ao Benfica. Vamos ouvir falar (ou chorar?) dela por muitos anos. O Calabote, finalmente, vai ficar em (relativo) descanso! Já encontraram sucessor! E a descabelada escalada parece não ter fim! Desta feita, com ameaças de morte ao árbitro e tudo!
Os do costume – desta vez com o Sporting à frente, o Porto, por trás, a empurrar – não conhecem limites (apesar de haver já quem fale, timidamente embora, ‘que foram ultrapassados todos os limites’), só já falta proporem uma estátua – ou o título de Visconde! – ao seu arvorado herói desta comédia lusa, o jagunço da ‘peitada’ e do lançamento da medalha!
Em contrapartida, também há já quem fale em arrependimento. Arrependimento da estonteante vozearia anti-desportiva e anti-fair-play dos principais dirigentes lagartos? Não. Arrependimento por terem aceite ‘ir aos penalties’!!! Sobretudo depois de os saberem perdidos. Antes, alimentavam a secreta esperança de os poderem vencer e assim a desforra dar-lhes-ia ainda mais gosto.
Mas, felizmente, Deus (perdão, Quim) estava lá!
É que depois da atordoante bordoada distribuída ao longo de todo o jogo (é certo que um pouco de parte a parte), como é possível terem chegado ao fim, sem uma beliscadura (física ou disciplinar), Derlei, Rochemback ou mesmo Polga (que inutilizou o Suazo até ao fim da época)?
Afinal, ‘Deus (ou terá sido Quim?) escreve mesmo direito por linhas tortas’!