terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Em Gaza, a barbárie continua ...

Médio-Oriente : Atenção ao Livro de Estilo!
As doze Regras de Redacção dos Grandes Media Internacionais quando a notícia é do Médio Oriente :
1) No Médio Oriente são sempre os árabes que atacam primeiro e sempre Israel que se defende. É inconveniente falar em «represálias» quando se tratar do exército israelita.
2) Os árabes, palestinianos ou libaneses não têm o direito de matar civis. A isso chama-se «terrorismo».
3) Israel tem o direito de matar civis. A isso chama-se «legítima defesa».
4) Quando Israel mata civis em massa, as potências ocidentais pedem que seja mais comedido. A isso chama-se «reacção da comunidade internacional».
5) Os palestinianos e os libaneses não têm o direito de capturar soldados de Israel dentro de instalações militares com sentinelas e postos de combate. Isso chama-se «sequestro de pessoas indefesas».
6) Israel tem o direito de sequestrar a qualquer hora e em qualquer lugar quantos palestinianos e libaneses desejar. Actualmente são mais de 10 mil, 300 dos quais são crianças e mil são mulheres. Não é necessária qualquer prova de culpabilidade. Israel tem o direito de manter sequestrados presos indefinidamente, mesmo que sejam autoridades eleitas democraticamente pelos palestinianos. Isto chama-se «prisão de terroristas».
7) Quando se mencionam as palavras «Hezbollah» e «Hamas», é obrigatório a mesma frase conter a expressão «apoiado e financiado pela Síria e pelo Irão».
8) Quando se menciona «Israel», é proibida qualquer menção à expressão «apoiado e financiado pelos EUA». Isso poderia dar a impressão de que o conflito é desigual e que Israel não está em perigo de existência.
9) Quando se referir a Israel, são proibidas as expressões «territórios ocupados», «resoluções da ONU», «violações dos Direitos Humanos» ou «Convenção de Genebra».
10) Tanto os palestinianos como os libaneses são sempre «cobardes», que se escondem entre a população civil. Se eles dormem nas suas casas, com as suas famílias, a isso dá-se o nome de «dissimulação» e «cobardia». Israel tem o direito de aniquilar com bombas e mísseis os bairros onde eles dormem. A isso chama-se «acção cirúrgica de alta precisão».
11) Os israelitas falam melhor inglês, francês, espanhol e português que os árabes. Por isso eles e os que os apoiam devem ser mais entrevistados e ter mais oportunidades do que os árabes para explicar as presentes Regras de Redacção (de 1 a 10) ao grande público. A isso chama-se «neutralidade jornalística».
12) Todas as pessoas que não estão de acordo com as Regras de Redação acima expostas são «terroristas anti-semitas de alta periculosidade».
E, entretanto, a barbárie continua ...

2 comentários:

Anónimo disse...

Salvo muito raras, mesmo raríssimas excepções é, infelizmente, o "Código de Conduta" dos OCS, dos ditos de referência.

AVCarvalho disse...

Notável texto (e trabalho) sobre uma situação a que nos fomos tornando insensíveis ou até mesmo indeferentes, em razão da sua eternização, mas também pela forma como a CS a trata e no-la comunica.
Desmontar as verdades (ou tidas como tal) de um falso senso comum, sobre o qual a CS constrói grande parte da sua subsistência e a que, por isso mesmo, sistematicamente recorre - algumas vezes por ignorância, as mais das vezes, porém, por interesse (próprio ou dos donos da dita) - é tarefa de relevante importância social, a que este texto procura, e bem, corresponder.
Sobre o tema propriamente dito - as relações Israel-Palestina - cada vez estou mais convicto de que, a prazo (mais ou menos longo, depende de muitas circunstâncias), quem mais perde com a situação conforme ela existe actualmente (Israel e um conjunto de 'Bantustões', que é o estado actual em que se encontra aquilo que devia ser o Estado da Palestina) é mesmo Israel: o desenvolvimento lógico desta situação actual só pode descambar na inviabilidade do próprio Estado de Israel (e do da Palestina também, mas isso já hoje se verifica).
Talvez um dia eu me proponha desenvolver aqui esta ideia.