segunda-feira, 5 de abril de 2010

Uma questão de "sentimento"...

Ainda sinto os pés no terreiro
Onde os meus avós bailavam o pezinho
A bela Aurora e a Sapateia
É que nas veias corre-me basalto negro
E na lembrança vulcões e terramotos
Refrão:
Por isso é que eu sou das ilhas de bruma
Onde as gaivotas vão beijar a terra
(REPETE-SE)
Se no olhar trago a dolência das ondas
O olhar é a doçura das lagoas
É que trago a ternura das hortênsias
No coração a ardência das caldeiras.
É que nas veias corre-me basalto negro
No coração a ardência das caldeiras
O mar imenso me enche a alma
E tenho verde, tanto verde a indicar-me a esperança.
(Autor: Manuel Ferreira)

PS - é sempre assim; sempre que se aproxima uma estada na Ilha, na minha Ilha de S. Miguel, dá-me para o "sentimento"; porque será ?

3 comentários:

jose disse...

ONDE AS GAIVOTAS VÃO POISAR NA TERRA
ABRAÇO AMIGO FORÇA NA MÚSICA EXPECTACULAR

AVCarvalho disse...

Pois então boa estadia nas 'ilhas de bruma'.
Não me atrevo a corrigir o poeta e muito menos a verdejante paisagem açoreana, mas cá para mim o último verso está a ficar ultrapassado. É o vermelho - não o verde - que cada vez mais é a cor da esperança! A todos os níveis!
Mas isso sou eu que não sou poeta!

Anónimo disse...

Tambem sou Acoriano e com prazer, por tal e que sou verde.....bem verde como as ilhas de bruma....ser vermelho e um atentado a nossa natureza.